Saturday, March 27, 2010

UM HOMEM DIFERENTE












João Marreiros percorria a custo a zona ribeirinha da cidade, procurando confundir-se com as paredes decrépitas e grafitadas de velhos armazéns ao abandono que não abonavam a favor da paisagem prometida pelos folhetos das agências turísticas. Protegia-se assim de alguns empresários circenses sem escrúpulos, sempre em ânsias de descobrir o insólito, a deformidade, enfim, tudo o que pudesse ser alvo dum público àvido de emoções fortes à conta da desgraça alheia. Foi numa manhã igual a esta, que Frederico - descobridor de gente incomum do submundo, se cruzou com ele. Prometeu-lhe uma reforma radical na sua vida: fama e proveito estavam logo ali ao virar da esquina e, com um pouco de sorte, quem sabe? até o amor podia acontecer. João, seria uma aberração da natureza (um erro de deus, como costumava afirmar em pranto sua mãe) mas não precisava de espelho para se rever nem de David Lynch para se martirizar ainda mais. Em curto espaço de tempo, as promessas passaram à dura realidade dos circos ambulantes e palcos de duvidosa qualidade, reclamados por um cartaz explícito: "João Holmes de Portugal. Espectáculo para adultos" que era por lei obrigatório e concorria para os êxitos de bilheteira de tão degradantes eventos. Farto de ser usado, assim que a oportunidade surgiu, fugiu para o anonimato, sem pôr a vista em cima de dinheiro que se visse nem de amor que chegasse. «Óh amigo!» ouviu uma voz nas suas costas «Você arrasta-se tão penosamente que impressiona. Não se ofenda, mas tenho em minha casa (era do meu pai, coitado... ) uma bengala que lhe pode dar jeito para se amparar... ». João sorriu pela primeira vez em muitos anos «E acha que eu preciso?!»
2010. Foto e texto de Alberto Oliveira.

32 Comments:

Blogger Justine said...

Excelente e deveras invulgar, o teu Homem Diferente. Melhor que o "homem singular" do Tom Ford, o "homem sério" dos Irmãos Cohen,e até do "Homem leopartdo" do Tourneur!! Grande João Marreiros, que nem sabe se precisa ou não de bengala:)))

27/3/10 11:30  
Blogger Fa menor said...

Afinal, o que é ser diferente? Quando meio mundo procura copiar outro meio?
Bem, tu és diferente... a tua escrita é diferente... inesperada!

Boa semana!

Bjos

27/3/10 12:11  
Blogger Daniel Santos said...

grande escrita, uma vez mais... nem sei como comentar.

27/3/10 19:52  
Blogger Há.dias.assim said...

Pior são os coxos de carácter...

28/3/10 10:53  
Blogger ss said...

o Sr. Holmes anda muito popular na blogosfera. Belo texto, foto interessante.

28/3/10 16:34  
Blogger oxalá said...

Então esse João não sabe que a bengala é o melhor objecto do mundo para dar umas boas bengaladas?
E tu, por que não lhe explicaste?

28/3/10 20:21  
Blogger São said...

Bom não perder nunca o sentido de humor.

E ser diferente o que é?

Uma feliz SEmana Santa, com doces amêndoas.

28/3/10 20:30  
Blogger Idun said...

não precisava de bengala mas sim de uma longa capa negra, um chapéu de aba larga e uns óculos de sol. para não ser reconhecido por mimi da buraca, uma boneca insuflável que o seguia para onde quer que ele fosse, perdidamente apaixonada por ele, desde a altura em que ambos tinham desempenhado ardentes cenas de sexo num filme porno.uma longa metragem, obviamente.

marradinhas da bicharada e um abraço em duplicado, da Humana

28/3/10 21:14  
Blogger Rosa dos Ventos said...

Eu é que ando a tropeçar demasiado!
Se calhar preciso de uma bengala...
Ele não, penso eu!

Abraço

28/3/10 21:34  
Blogger Marta said...

Talvez não precisasse da bengala, mas precisava de ouvir uma voz amiga, alguém que o tratasse de igual para igual e lhe oferecesse ajuda...Por ser humano e solidário...
Um texto vibrante e humano...
Adorei cada palavra....
Beijos e abraços
Marta

29/3/10 13:57  
Blogger arabica said...

Vivemos num plano vulgar de mapa mundo afinal povoado por tão invulgares personagens!

Estou num cyber, merecias _e a tua escrita tb_ um comentário melhor e maior, mas sinto-me tão despida de mim nestes sitios!

Beijos e sorrisos, boa semana!

29/3/10 16:53  
Blogger Mar Arável said...

Excelente texto como sempre

De facto somos todos diferentes

mas sempre se torna necessário

afirmar o facto

porque não basta ter razão

29/3/10 18:12  
Blogger MagyMay said...

Apetece-me ver o "comum" de uma espécie humilhada, neste homem...

Raios, porque o que não é "formatado" ou é "fraco" vai para o palco de um "circo"?...
Tal como na vida ...como no dia a dia...

(Parabéns, pelo texto)

29/3/10 22:58  
Blogger lélé said...

Este conto parece um caleidoscópio! Ora se lê com sentimento, ora com malícia... Muito Legível!

(Legível, porque é que aquele senhor usa a gravata nas pernas?...)

29/3/10 23:18  
Blogger pin gente said...

eheheh

pobre homem diferente... neste caso o "todos diferentes, todos iguais" não bate certo!

um abraço

30/3/10 11:55  
Blogger © Piedade Araújo Sol said...

um texto interessante.

uma escrita fluente.

eu gostei!

abraço

30/3/10 20:04  
Blogger Joana said...

... rendo-me às evidências, ele não precisava de bengala alguma. E mais não digo que estamos na semana da Páscoa... eheheheheh
Muitas amêndoas!

1/4/10 11:29  
Blogger Ana Lina said...

Não quero ser deselegante, mas está à vista que o João Marreiros era dotado de um apoio extra!!!

Para quê, sim para quê a bengala?!

1/4/10 22:14  
Blogger tb said...

As coisas que os teus olhos vêem, para despertar a fantasia do teu papel.
Olha dei uma valente gargalhada e não foi pela diferença do teu heroi mas pelo hilariante da tua escrita.
Beijinhos

2/4/10 00:21  
Blogger Naty e Carlos said...

Nesta PÁSCOA...
Abram vosso CORAÇÃO...
E deixem que a fé e o amor façam eterna moradia.
A Páscoa nos deixa muito felizes e temos a agradável certeza de que estaremos sempre todos junto.
Fazemos votos que sejam sempre felizes.
Já que a Páscoa é amor, desejamos que este amor se fortaleça a cada ano, a cada dia.
Que a nossa e vossa cumplicidade possa permanecer sólida.
Que possamos continuar acreditando no amanhã, pois o caminho é longo e nós estaremos sempre lado a lado.
Tudo.faremos para vos transmitir Paz e Amor
Feliz Páscoa
Bjs com carinho

2/4/10 08:08  
Blogger alice said...

vim só deixar-lhe um beijinho de páscoa, legível. calórico :)

2/4/10 22:04  
Blogger MagyMay said...

Se este não é o post da paragem do metro de superfície do Laranjeiro....
Se aqui não há amêndoas, nem ovinhos de chocolate....
Porque raio, Maria, vieste tu aqui, novamente???

... para desejar um bom domingo de Páscoa, ao Senhor Legível de Oliveira Alberto de Almada... ora, só podia ser!!!!!!!

Abraço

3/4/10 19:51  
Blogger Rui said...

Ainda no outro dia aluguei um filme que pensava ser com o João (curiosidade cientifica, está bem de ver): O Três Pernas Lusitano. Vai daí, sai-me um documentário sobre um cavalo de raça Lusitana, da GNR, que perdeu uma perna numa perseguição a um politico corrupto.

5/4/10 16:19  
Blogger segurademim said...

... lá tinha as suas dúvidas!!! que lhe respondeste?

anonimato comprometedor!? hum, kédê a cabeça??

5/4/10 19:36  
Blogger Gasolina said...

É o que dá chegar atrasada...

Tudo o que é interessante, de fino humor e alto recorte literário já foi dito.

Também não posso falar da Páscoa, que já se foi.

Resta-me saír com elegância e dizer sinceramente que gosto do que escreves. Só porque é verdade.

6/4/10 00:13  
Blogger © Piedade Araújo Sol said...

saio daqui sempre com um sorriso - aberto.

a foto tá um espanto!

rss

um abraço!

6/4/10 17:11  
Blogger mixtu said...

um homem que tal como todos os outros, é diferente...

igual na diferença...

e o circo da vida levou-o e trouxe-o

hoje... na certa precisa de cajado...

digo eu...

yayaya

abrazo serrano

6/4/10 17:37  
Blogger JPD said...

Olá Alberto

Quando era miúdo lembro-me de a Feira Popular abrir com figuras que excediam o imaginário de crianças e adultas pela anatomia ou pelas capacidades de executar tarefas com uma agilidade intelectual foram do comum.

O elenco dos circos -- Em épocas muito recuadas -- apresentava figuras que excediam o imaginário das audiências, pelo lado da bizarria.

Actualmente, com a sacralizaão da perfeição corporal e da beleza, afinal uma centralidade sobre uma ideia de perfeição corporal exacerbadíssima, figuras bizarras integram com dificuldade elencos circenses.

O Cirque do Soleil, com novas opções esteticas reduz ainda mais essa possibildade.

Mas a gente vai sabendo que certas figuras marginais como a escocesa que canta maravilhosamente, como a Rosinha, portuguesa, que também canta maravilhosamente, encantam.

Não sabemos -- E nesse sentido a o protagonis da tua narrtiva a desejar ardentemente que o deixem em paz -- vem muito a propósito.

Quanto aos desenhos nas paredes, eis uma manifestação que se for circunscrita a Foz Coa tem uma apreciação e até fez parar um barragem no local; não turistas; na cidade, às vezes é mal interpretada.

Quanto ao resto, acho a edição boa e a cumprir o padrão de qualidade narrativa que é do teu apanágio.

Um abraço, Alberto

7/4/10 21:59  
Blogger gabriela r martins said...

tchiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii

impressionante e belíssimo



.
um beijo

8/4/10 16:56  
Blogger casa de passe said...

Sr. Legível,

Se por acaso encontrar o cavalheiro diga-lhe, se faz favor, que aqui em casa precisamos de um trabalhador competente e para trabalho honesto.
Obrigada.


Aurélia

10/4/10 00:51  
Blogger Alien8 said...

Muito bom, Legível, este percurso de um fenómeno que, no fim de tanta palhaçada, ainda conseguiu rir. Rir-se de si próprio, diria.

13/4/10 01:26  
Blogger Rui said...

Já estou como a lélé: Que grande caleidoscópio! Há vidas assim... muito tristes!

16/4/10 10:23  

Post a Comment

<< Home