Wednesday, September 12, 2007

AS MEMÓRIAS DE MÁXIMO AUGUSTO
















Nero Wolf Antunes tinha-se mostrado irredutível: "Nem mais um dia! Uma semana de férias e já gozas! Até parece que desconheces como vai o negócio aqui na Avenida de Roma... E vê lá, não te afastes demasiado porque posso precisar de ti de um momento para o outro. Nada de algarves que aquilo por lá está em chamas e tu, para te meteres em sarilhos és um predestinado. Era o que me faltava saber pela imprensa inglesa que o meu homem de confiança era companheiro inseparável nas noitadas, de um qualquer súbdito das ilhas britânicas com filhos de tenra idade. Tem tento, homem! Aconselho-te a calma das praias da linha de Cascais. Têm pouca areia mas não importa; vais a banhos, não te vais expor à populaça , ávida por um bom drama e por tomar partido. E deixa o futebol em paz pelo menos estes dias. A selecção não precisa dos teus cuidados nem do teu apoio que aquilo com o Felipão são favas contadas a jogar para trás e, os teus lagartos já chegam para te dar cabo do coração no domingo, na Amadora."
Agora, na serenidade romântica da Quinta dos Antonianos -uma das primeiras a surgir no negócio do turismo rural no Alentejo, Máximo Augusto sorria mansamente ao recordar as palavras do seu patrão. Optara pelo campo, mas sem dúvida que o homem tinha experiência de vida, pois os seus conselhos tinham razão de ser. Há muito que não se sentia de alma tão apaziaguada e de corpo tão reconfortado, sem notícias dos quotidianos labirínticos das cidades. Limpou disfarçadamente uma lágrima de felicidade, ao ouvir Tibéria, sua mulher, cantar para o filho que erguia nos braços, "Um destes dias, Roma, vão-te pôr fogo", um dos hits do Verão deste ano. Não era homem dessas coisas, mas Nero merecia. Sabendo do seu gosto pela música, ia-lhe oferecer uma harpa.


Potsdam, 2007. Texto e foto de Alberto Oliveira.

22 Comments:

Blogger samartaime said...

Compadre, as tuas notícias são bem mais claras que todas as televisões e jornais juntos!
Finalmente, e em parcas linhas, fiquei a saber o roteiro dos swings dos Petrónios, o nome do inventor da harpa e que Tibéria tinha força nos dois braços!

Brilhante, compadre, brilhante!

13/9/07 18:11  
Blogger passarola said...

dá para perceber o que é que andas a ler... e quanto a isso de deixar o futebol em paz é mesmo o melhor que temos a fazer... antes tivesse passado a noite de ontem a ler Lobo Antunes... ou Máximo Augusto... ;)

13/9/07 21:30  
Blogger lélé said...

O Máximo Augusto não conheço, mas o Nero Wolf fala de cadeirinha!...

13/9/07 22:12  
Blogger butterfly said...

Adorei o ironismo, a crítica subtil misturada com os assuntos graves.
Umas boas gargalhadas e alguma tristeza, incerteza. Será que passamos esta fase do europeu? Os lagartos serão campeões? Cadê a águia?
Estou muito baralhada, desculpa.
Um abraço

14/9/07 02:43  
Blogger Rui said...

- Mãe, olha esta flor.
- Ah, desgraçado, que já me foste aos canteiros.
- Está ali um senhor.
- Já chegou?! Veio adiantado, está com pressa.
- Quem é?
- É... é... hmmmmm... olha, é o jardineiro, que vem arranjar o que o menino anda a estragar. Diz-lhe que eu já vou.

- A minha mãe diz que já vem.
- Eu cheguei um pouco cedo.... é que estou... nervoso.
- Vem desbastar o mato?
- Cof... cof... como disse?
- Se vem tratar das margaridas da minha mãe e dar-lhe uma aparadela na erva daninha.
- Eu... eu... vinha era ver da horta... da minha...
- Então o senhor não é jardineiro?
- Jardineiro!? Ah! Sim, pois sou... sou eu. Foi a tua mãe que te disse...
- Pois foi.
- É, sou eu... venho tratar-lhe das margaridas.
- Não se esqueça da erva daninha.
- Eu trato disso, não te preocupes.
- Não se esqueça de espalhar nitrato de sódio no roseiral.
- Para criança, tu até percebes umas coisas de jardinagem.
- É. Nós temos televisão por cabo.

14/9/07 11:44  
Blogger eu said...

Os meus parabéns ao Sr. Alberto OLiveira.
Realmente não há nada como não saber o que se passa no mundo...

Eu também estou feliz...


D. Galinha

14/9/07 13:16  
Blogger un dress said...

máximo augusto...

embrenhei-me

seriamente nas tuas memórias!!

até recordo esse êxito de verão...

e nero, claro,

estou a vê-lo!

irrompendo a rebolar

num transe de tocha e harpa!!



:))



abraÇo.beijO

14/9/07 19:12  
Blogger Teresa Durães said...

bom bom foi quando Alarico entrou outro e Roma capitulou. mas isso é post !!

14/9/07 19:36  
Blogger Teresa Durães said...

ah! compadre! Aquele post foi antes de resolver mergulhar na piscina toda vestidinha. Bom, na realidade não foi toda toda: tirei os óculos e os calções, ficando de calcinhas, como diriam aqueles que teimam em chamar-nos de irmãos. Mas adiante: após a chapada de água fria bem nas fuças - e também é este o termo correcto - umas braçadas de quem só mergulhou pela segunda vez e estamos quase no Outono - disse de mim para mim: ainda bem que a tia Teresa, a tal de Calcutá, já rebola a rir no túmulo. Que gente exaltada com a mania que quer salvar o mundo - essa bola esférica onde apostei que perdia num bom tsunami ou algo parecido - e nada disto é dramático- pelo contrário - o emprego aumentava rapidamente - e dizia, que este tipo de gente que dão para revoltosos cá não fazem falta. Antes uns merdosos que contam que se escondem nas montanhas mas na realidade estão algures a fazerem hemodialize e se calhar nem sabiam onde eram as torres gémeas... mas isto vinha a propósito de quê? Ah! sim, a tiazinha que ainda se ri a bandeiras despregadas agora que começou a entender o funcionamento da coisa.

Caro Legível: vinha informá-lo que amanhã pelas 12h00 alguns portugueses (de baixa estatura como convém) estarão abismados a assistirem a um monte de gritos da NZ. A não perder mesmo que não aprecie o acontecimento. Quero ver quantos aguentam as caretonhas engraçadas do Haka.

Cp

Teresa Caturreira Salvadora da Pátria

14/9/07 19:46  
Blogger Rach said...

Mau, qué lá isto! então agora tenho a família dos Augustus a invadir-me o alentejo. Eu sei de um antepassado vindo lá das bandas de Roma. Se calha já se vê o magano ainda é mê primo... Mas, vocemecê, continua-nos dando música, agora de Harpa num embalo swing.

14/9/07 20:36  
Blogger Sophiamar said...

Um texto perpassado de uma ironia fina.
Beijinhos

14/9/07 22:30  
Blogger PiresF said...

Fabulástico!

Quando li o nome do personagem Antunes logo pensei em toranjas, alcachofras, batatas recheadas, plum-puddings de conhaque, etc, etc, etc, para verificar em seguida que a ementa era outra. Embora a história fizesse parte do circo romano instalado, contornava-o e servia-o com a habilidade da ironia, só ao alcance de quem tem uma imaginação privilegiada e, como sempre, bem secundado pela fértil imaginação do Rui.

Excelente momento de leitura.

15/9/07 01:33  
Blogger M. said...

Legível, o eterno brincalhão

15/9/07 10:46  
Blogger ~pi said...

crónicas do quotidiano salpicadas

da ironia que só tu sabes onde

vais buscar!! ;)


...e aqui com sabor a...

"estes romanos são doidos!" :))

15/9/07 11:48  
Blogger Licínia Quitério said...

Legível,

Pelos lidos, tu romanceaste um tanto a estória. Essa de contares que o Augusto tinha ido fazer turismo rural é o Máximo. Se não fosse o Rui a pôr ordem no relato, não teríamos sabido da digníssima actividade de jardineiro em que o nosso homem se ocupou durante as exíguas férias que Nero lhe concedeu.

Rui,

Já agora, digo-te que também te esqueceste de revelar (ou te arrogaste o direito de ocultar) que o nitrato não foi propriamente utilizado no roseiral, mas no cházinho de ervas que Nero toma ao meio da manhã. Consta que ao sétimo dia, Nero gritou: Ai, que estou em chamas. Bem feito. Quem não quer ser Wolf não lhe veste a pele.

Beijinhos para os dois. Vocês é que são o "MÁXIMO"!!!

15/9/07 12:58  
Blogger mcorreia said...

detesto este entrarem-me de ravés esses dizeres feitos de como se fosse História,desdizendo os algarves em prol de um cascais de fracas praias ou um alentejo de herdades a feder a palha. detesto e pronto! se me queres atenta e lendo (-te) pára com essas indirectas na voz de um qualquer, Nero esteja ele apagado ou a arder

15/9/07 21:42  
Blogger Gi said...

O Máximo :)

Ao nível das Memórias de Adriano com a vantagem do cenário nos ser muito mais familiar. Essa de deixar o futebol em paz é que é que é chato. Pronto tá bem, é lagarto, não teve o prazer de ver como eu vi agora o Rui Costa que nem é esquerdino meter um golaço com o pé que tinha mais à mão.

;)

beijinhos
bom fim de semana

15/9/07 22:13  
Blogger manhã said...

ai, uma arpa não, de qualquer modo o Nero tinha Razão...mas qual Nero que estou baralhada?...

17/9/07 00:29  
Blogger Fortunata Godinho said...

Sublime como sempre! Já não vinha aqui há tanto tempo, que só me apetece dizer: és tão Legível!
E há sempre música, não é?

17/9/07 20:21  
Blogger hora tardia said...

discretamente.

deixando que o tempo passe.


vim.


em "máximo" prazer de reler.



beijos. seguros :)))) e transmissiveis.


imf.

18/9/07 09:08  
Blogger APC said...

Que bom que é ver uma relação profissional assim coesa, quase paterna em seus laços e conselhos! :-P
Tu divertes-te bastante, certo? Não é só a nós, pois não? :-)))

Um abraço pati!!!


PS - Eheheheh... Demais, Rui! :-P

20/9/07 01:45  
Blogger RC said...

Genial.

Xi.

30/9/07 12:09  

Post a Comment

<< Home