Sunday, July 15, 2007

CLARAMENTE SOMBRIO
















Dele se poderia dizer que não tinha opinião. Não se lhe conhecia filiação partidária nem clubística. Não tinha amigos porque isso obrigava a decidir a favor de uns em prejuízo de outros. Era-lhe indiferente que chovesse torrencialmente no norte ou que o sol esturricasse a sul. À mulher que o levou ao casamento ouvia-se dizer frequentemente que "... o meu marido é uma jóia. Para ele está tudo bem." Era um homem que nunca exteriorizava as suas emoções e, suspeitava-se que algum dia as tivesse tido. Confidenciou-me um familiar chegado, que certa vez, tarde da noite, o surpreendeu no computador a ler textos do blog "Papel de Fantasia". Nem um músculo da sua face se movia...
Ontem chegou-me a notícia que tinha sucumbido a uma doença grave da qual nunca deu indícios de padecer. Porque era seu vizinho e nunca ouvi da sua parte uma palavra menos agradável(?!), cumpri o dever de passar pelo local onde se velava o corpo. Ao deter-me junto ao féretro, a face inexpressiva do defunto parecia querer dizer-me: "Bem te tramei! que eu sei o que tu querias. Material a meu respeito para escreveres textos na blogosfera... ".
Almada, 2007. Texto e foto de Alberto Oliveira.

29 Comments:

Blogger bell said...

:)

O que se faz só para não dar esse gostinho ao vizinho... mesmo que o vizinho com facilidade arranje material noutro nado.

16/7/07 11:32  
Blogger Fortunata Godinho said...

Obscuramente claro, diria eu. Pessoas sem opinião enervam-me e mais a mais, o simples facto de não pertubarem ninguém, provavelmente terá efeitos de absentismo no cortejo funebre... o que estavas lá tu a fazer?

16/7/07 11:39  
Blogger poca said...

medooo

16/7/07 12:36  
Blogger Sea said...

estou como a Poca:
be afraid! Be very afraid!

16/7/07 13:12  
Blogger Maria P. said...

Claramente Soberbo!

Ai! Se eu soubesse rimar:)

Beijinhos*

16/7/07 16:06  
Blogger Rui said...

Belarmino, hirto no sofá plastificado, face granítica, ergueu lentamente a mão e coçou a sobrancelha esquerda - sinal de que estava a tentar tomar uma decisão. Ia já nos cinquenta, mas aquela era a sua ducentésima vigésima sexta decisão (desde o dia em que fez 9 anos e começou a contabilizar as decisões que tomava). Preferia que fossem os outros a decidir, que a ele tanto se lhe dava: sabia desde cedo que nunca devia ter nascido - disse-lhe a mãe um dia, tinha ele 5 anos e estava a fazer uma birra por causa da chucha. És tão chato Mino, nunca devias ter nascido.... Como era a mãe que lho dizia, ele acreditou. Assim, entregou-se à vontade alheia e resumiu a sua existência a uma espera o mais sossegada possível.
Não se deu mal com isso. Nunca foi feliz, mas também se poupou a muita infelicidade.
Naquele momento, Belarmino tentava decidir se a decisão de tomar uma decisão, contava como uma decisão. Porque se o fosse, a sua contabilidade podia estar errada.

16/7/07 16:12  
Blogger Maria Liberdade said...

E que rico material!

16/7/07 16:21  
Blogger Gi said...

Ficou mais pobre. Foi-se-lhe a “jóia” mas ficaram-lhe os dedinhos. Continuará
a poder tocar piano e às campainhas dos vizinhos quando sentir o peso da solidão.
Para trás ficou o seu PAPEL de esposa a sua FANTASIA de ser uma mulher feliz...
Agora não passa de uma viúva , um papel amarrotado a que, num laivo de inspiração, decidiu baptizar de Papier Crépon. Com um nome destes tinha assegurada a entrada no jet set de Almada City.
Sorriu. O marido morrera descansado. Nunca ninguém tinha descoberto , e não era ela que o ía revelar, que a ausência de emoções no seu rosto se devia a um gosto exacerbado pelo Botox...
Um dia não correu lá muito bem . As paralisias faciais também acontecem. Bem que ela o avisou para não escolher o médico em Blogues. São um perigo aquela gente!

Boa semana :)

16/7/07 17:26  
Blogger tb said...

olha o safado. Isso assim não está certo. nem sequer um músculo, um apenas? Foi bem feito, pronto! :)
Beijinhos

16/7/07 18:01  
Blogger un dress said...

~

sombriamente clara agora a voz que nunca se ouvira anunciava a imobilidade infinita

- olha que bem gostava de ter sido tu mas realmente não somos o que queremos somos o que nos fizeram e assim morremos...desculpava-se assim do transtorno que provocava ao ter morrido.

do incómodo de ter respirado algum tempo a forjar um cancro que o arrancasse à tremenda dor da in.existência.

assim morreu. a missão mais conseguida de toda a sua vida.

e porém e ainda que finalmente visível ali estendido
sentiu-se vagamente envergonhado numa súbita urgência de recolher à sombra habitual ao refúgio acolhedor dum apenas número de hospital.
duma morte parda condizente com toda a sua vida: inscrevendo-se sombriamente e para toda a eternidade como ser in có gni to.






beijO.alberTo :)

16/7/07 20:52  
Blogger Sophiamar said...

Coitado!E assim se finou sem deixar trama para um post.
Beijinhos.

16/7/07 21:18  
Blogger augustoM said...

E tu apensares que o sujeito era o campeão da passividade, enganou-te e bem.
Um abraço. Augusto

16/7/07 22:25  
Blogger lélé said...

Bolas! Esse tipo era um "amorfo" fino! Ardeu e não deixou rasto!...

16/7/07 22:40  
Blogger mixtu said...

yayayaya
só tu... aproveitares um defunto para "brilhares" na blog...
tenho que ir ver esse blog que tu falas, nome sugestivo...
mas há pessoas assim, não sei se não t~em opinião ou se estão bem com a vida, simplesmente isso...

ps. quem escreve como tu vais gostar de um "post" que coloquei no 3º comment no meu calhau..
abrazos

17/7/07 00:09  
Blogger APC said...

Eheheheheheheh... Bestial! :-)))
Uma incursão pela sombra da paranóia, com a claridade literária que dá gosto! :-)))

Abraço daqui!

17/7/07 01:26  
Blogger seilá said...

andamos os dois (quer-se dizer ambos, tu e eu...sei lá) um tanto em volta dela. Cruzes credo que não é, decerto, ela em torno da gente! vá de retro!

17/7/07 18:00  
Blogger Joana said...

Isso é o que eu chamo de "boa vizinhança!"
:P

bjs!

17/7/07 18:38  
Blogger Maite said...

Caro Legível

"a ler textos do blog "Papel de Fantasia". Nem um músculo da sua face se movia..." Ora aí está uma coisa difícil de acontecer. :))) Eu até pagava para ver...se conseguisse os tais milhões, claro. :)))) Será que ele não estava já morto em "vida"?! e a sua morte foi apenas uma metáfora?!, quem sabe da própria mulher cansada de tão apática figura! Um dia exclamou: "Que Deus não me castigue mas preferia um que me açoitasse todos os dias!" Enfim...as mulheres são muito complicadas. :))
E eu teimo em fugir à história...queira desculpar-me

Tenha um excelente final de tarde

17/7/07 18:50  
Blogger Peg solo said...

ó legi, pelo q me parece ler coisas aqui do blog leva a mortes misteriosas e algo repentinas. acho q nao devias afugentar de tal modo os turistas :p
bêjos p o além

17/7/07 19:26  
Blogger passarola said...

ahahahahahah!!! uma surpresa humoristica no final do conto... já tinha saudades :) boa!!

18/7/07 22:46  
Blogger Kalinka said...

Olá Amigo,

Cheguei ao post nº 300. Também eu me surpreendo, quem diria!
Quero agradecer-te e a todos que contribuíram com as visitas, as palavras e os incentivos para eu continuar aqui, no meio de todos vós.
Acho que ainda sou capaz de sonhar.

A noite
caiu sem manchas e sem culpa.
Os homens largaram as máscaras de bons actores.
Findou o espectáculo. Tudo o mais é arrabalde.
No alto, a utópica Lua vela comigo
E sonha coalhar de branco as sombras do mundo.
Um palhaço, a seu lado, sopra no ventre dos búzios.
Noite! Se o espectáculo findou
Deixa-nos também dormir.
E...
ASSIM RELEMBREI FERNANDO NAMORA.

Beijitos.

19/7/07 00:49  
Blogger bettips said...

Lá está: estampada na face in rigor rindo! Bem te tangueou (existe? dizia-se...), o vizinho. Nem carne nem peixe é desconfiar deles. Abç

19/7/07 05:12  
Blogger Sandra said...

Meu caro legível,

Eu bem te avisei que aquele teu vizinho era estranho...quando alguém não me olha nos olhos é porque esconde algo, mas tu, legível, sempre com a tua máxima "Devemos acreditar nas pessoas...". Como vês, a minha intuição não se enganou, pelo menos desta vez!!
Lembras-te daquela carta que despareceu ... uns versos para uma menina ... nessa altura acusei-te de estares "redondamente enganado"?? "Redondamente", disse eu, sem saber que o engano era meu ,ou terá sido magia? (Sei que frequentas todos os sábados esse workshpo!)

Bom, mas hoje quero deixar-te os PARABÉNS!!! E não digo mais nada, pois já sabes o quanto te admiro por este teu projecto.

Beijinho

20/7/07 20:24  
Blogger manhã said...

foi mesmo? Bolas! já fizeste vítimas! Blog perigoso este! O melhor é tirar daqui uma lição: vale mais um blog escorreito do que um que faz o jeito! (olha foi o que se arranjou!)

20/7/07 22:13  
Blogger inominável said...

é pa, se não estivesses a falar de um gajo, já pensava que era eu... não é que para mim esteja sempre tudo bem, não. mas também não está tudo sempre mal...

21/7/07 12:30  
Blogger Bruxinhachellot said...

Nada nos é indiferente. A opinião de cada um tem um peso.

Beijos de amigo.

22/7/07 02:55  
Blogger segurademim said...

... por muito sombrio que se pretenda, não tem clima de velório

22/7/07 08:43  
Blogger Teresa Duraes said...

ehehehhweheh

claramente cínico!

abraço

23/7/07 23:22  
Blogger A said...

LOL

Pretendia ser sombrio?

É que não conseguiste!!! Como sempre, arrancaste-me uma boa gargalhada :D

Boas férias e beijinhos

7/8/07 16:16  

Post a Comment

<< Home