Friday, February 02, 2007

É LÍQUIDO ...

















... e não oferece dúvidas que o Tejo é um rio, um rio tem água, a água dum rio é doce, o doce não amarga, amarga pode ser a amêndoa, amêndoas oferecem-se na Páscoa, a Páscoa ainda vem longe, longe não é nada perto, perto é ao pé de mim, mim Legível tu leitor, leitor da água que consumimos, consumimos até o que não precisamos de consumir e mais alguma coisa, coisas há muitas, muitas são as opções para sair do raio deste texto mas isto mais parece um labirinto, labiríntico pode ser o caminho da verdade, a verdade é muito mais incómoda que a mentira, a mentira é uma indústria próspera, próspera era a minha tia Henriqueta e no testamento esqueceu-se?! do meu nome, nome todos têm, mas alguns de tão horrorosos metem dó, dó, ré, mi,fá, só, só morreu o meu tio Gurmecindo que devido ao nome nenhuma mulher o quis para casar, casar é um acto que merece alguma reflexão, a reflexão exagerada conduz à inactividade, a inactividade é inimiga do trabalho, o trabalho é algo que todos pretendemos, mas quando o conseguimos logo clamamos por férias, férias são espaços de tempo em que perdemos tempo a contar quantos dias faltam para elas acabarem, acabar é o que vou fazer que o barco acaba de chegar a Cacilhas.
Almada, 2007. Texto e foto de Alberto Oliveira.

38 Comments:

Blogger Cusco said...

A lógica seria eu continuar o texto mas não me sinto com direito de o fazer nem de seguir a lógica.
E tal como o Tejo é um rio e os rios correm para o Mar, assim as palavras correm e por vezes desaguam num bom texto. Foi o caso..
Até breve
SE DEUS QUISER

3/2/07 11:39  
Blogger bell said...

Eu e o Tejo temos uma relação de amor. Já vivi em diferentes localidades, mas sempre perto dele. Durante quatro anos, corremos lado a lado, ele no seu leito, eu dentro de um comboio. Enquanto escrevo isto, contemplo-o da minha janela.

3/2/07 11:44  
Blogger Licínia Quitério said...

Cacilhas rima com ilhas, aquelas que visitei, e não é que ia morrendo de medo, medo é como quem diz receio, que assim não fico tão mal vista, mas vistas bonitas era o que não faltava, falta sinto eu de inspiração para comentar este texto, que é também um pretexto para eu me espalhar a dizer parvoíces, mas há dias em que não resisto e aqui vai disto, já que falas do Tejo eu conheci o senhor Gumercindo e ele disse-me que em Espanha havia mais tejos do que cá, se calhar foi por isso que não casou porque levou com os pés da espanholita que lhe mostrou os tejos, ele há sempre uma história que um homem guarda dentro de si, mesmo que seja bemol, que eu de música não percebo nada e agora já nem sei como sair desta sinfonia arcaica, enredada que estou na fantasia do papel e só te juro que o vou arrancar da parede, parede essa que vou mandar pintar de azul-tejo para nunca mais me esquecer deste teu post primoroso, oso, oso.
E pronto.

Beijinhos.

3/2/07 14:35  
Blogger Presença said...

Gostei desta associação livre de um dia (de uma vida), deste liquido que escorre...

Bjo carinhoso

3/2/07 14:38  
Blogger Maite said...

Caro Legível

E olhando para a foto entre o líquido que é o Tejo quase revolto em tempestade, a cidade sólida sem a luminosidade que a caracteriza e as nuvens gasosas ameançando um aguaceiro, um texto de final de tarde em que os pensamentos se encadeiam de forma labirinticamente incómoda.

Bem...esta é a análise de uma leitora consumidora de electricidade numa vã tentativa de aquecer os neurónios nestes tempos gélidos que correm.

Tenha um excelente fim de semana

3/2/07 17:33  
Blogger Teresa Durães said...

parece que foste mesmo à minha caixinha. adorei o que li e mais não digo.

um beijo para ti

3/2/07 17:38  
Blogger alice said...

eu era capaz de casar com um homem chamado gurmecindo. e mais não digo, a licínia já disse tudo ;)*

bom fim de semana, legível.

beijinho muito grande.

3/2/07 18:55  
Blogger Joana said...

cacilhas que me faz lembrar o disco Homem na Cidade, Carlos do Carmo, Ary dos Santos, bichona, José Castelo Branco, tontices, Mafalda, Quino, América do Sul, Verão, praia, mar, escrever, filmes, blog, maria e a sua fonte, sempre, sempre legível!
bjs

p.s.
desculpa a minha ausência, mas tenho andado com poucachinho tempo!
bjs

3/2/07 21:13  
Blogger seilá said...

boa! muito boa a garagalhada que se foi desenrolando com a charada! e eu gosto de ser gargalhada! e gosto do rio de que já tenho saudades (há meses que passo em Lisboa e o não visito)

3/2/07 21:27  
Blogger lélé said...

o Tejo é líquido, o texto é fluido... Não é fácil fazer essa corrente, apesar de não ter "fechado", mas isso foi certamente porque o cacilheiro chegou imprevisivelmente no horário, não?...

3/2/07 21:34  
Blogger Luna said...

Com trocadilhos e a brincar falaste muitas verdades
jinhos

4/2/07 01:21  
Blogger Pyny said...

Um labirinto escrito a meio de uma viagem? Ou apenas intelectualizado? De qualquer das formas é uma abordagem diferente das que costumas fazer. Tenho que confessar que gostei imenso da associaçao! Abraço

4/2/07 13:06  
Blogger Peg solo said...

...e o cuco continua a dizer couves nao hei-de eu comer! ;)

4/2/07 14:53  
Blogger JPD said...

Bela ladaínha, Alberto.

Dir-se-ia que andaste à procura de pontas para a tua meada.

Claro que é muito mais do que isso e está muito bem articulado.

Um abração

4/2/07 18:18  
Blogger Whisper said...

Viciante! ;)

Gosto de acreditar que o tempo também precisa de rotinas e estabilidade, arrumando-se em ciclos que parecem coincidências...

Não há acasos!

Um abraço

4/2/07 19:07  
Blogger Bel said...

Uma cidade com rio será sempre uma linda cidade com um encanto superior.
bom domingo

4/2/07 19:28  
Blogger manhã said...

eheheheh associação livre, legível é o texto que no contexto de cacilhas se torna barco e atravessa o tejo e fizeste-me rir e tem imensa graça e parabéns!

4/2/07 19:29  
Blogger passarola said...

eh eh, muito fixe! gostei muito do teu labirinto. bons passeios no tejo, um bj....

4/2/07 19:34  
Blogger lakiluca said...

Perfeito, está perfeito!

Caramba, que pena a travessia ter sido tão rápida!

Abraço!

4/2/07 19:46  
Blogger sea said...

passeios, numa encruzilhada fluvial até Cacilhas :)

5/2/07 12:51  
Blogger Silvia said...

Lembraste-me uma história que o meu pai contava:

"De alguem que passa por outro e diz: Adeus Senhor. E o outro pensa. Adeus Senhor... Senhor dos Paços. Paços Concelho. Conselho de Ministros. Ministro da Guerra. Guerra junqueiro. Junqueiro Alcantâra. Alcântra-mar. Mar dá peixe. Peixe é pescado no alto da serra. Serra da estrela. Estrela é ceu. Céu é azul, Azul é tinta. Tinta é linhaça. Linhaça são papas. As papas são com leite. O leite dão as vacas. Ai o filho da P... que me chamou C..."

Nao sei se é bem assim, mas mais coisa menos coisa... :)

5/2/07 14:46  
Blogger Rui said...

Cacilhas, cais. Cais, porque escorregas. Escorregas, levantas-te. Levantas-te, mas não apetece nada. Nada é peixe. Peixe, jogou no sporting. Sporting, ganhou com ajuda do árbitro. Árbitro, apito. Apito, dourado. Dourado, marido da dourada. Dourada, é peixe. Peixe, mar. Mar, estrela. Estrela, ganhou. Ganhou, bem. Bem, fica. É o maior, mesmo quando acerta ao lado.

Abraço.

5/2/07 15:00  
Blogger Carlos Barros said...

lógica...é...claro...alguém esta a pensar no copo d'água...



meemoravel...com sorte mas memoravel aquele sabado...

5/2/07 18:18  
Blogger sotavento said...

A gente brincava assim, numa folha de papel, que se dobrava antes da última palavra... Obrigada por mo recordares, agora já brinco menos!... :)

5/2/07 20:49  
Blogger sotavento said...

E é pena!... :)

5/2/07 20:49  
Blogger Betty Branco Martins said...

A foto está linda - o Tejo é lindo:))

Embora um pouco "mareada" adorei este texto

Beijinhos com carinho
BSemana

6/2/07 01:23  
Blogger bom dia isabel said...

A imagem é linda, o texto perfeito e tu um criativo incomparável isto quer dizer que não há quem se te compare e a mim apetece-me de facto encontrar alguém a quem possa visitar com a mesma satisfação e acho que encontrei o meu amigo Cusco que gosta tanto de palavrear quanto tu e há ainda a Licínia que tão bem escreve em prosa como em verso, e por falar de verso lembrei-me da Maria Mamede do blog http://noceuenaterra.blogspot.com que faz poesia como quem respira e do meu amigo Tinta Permanente que também debita palavras com sentido a uma velocidade estonteante.
E por aqui me fico mas ainda te digo que os rios nascem no mar e que a terra gira ao contrário...
Beijinhos

6/2/07 08:10  
Blogger segurademim said...

... é líquido que o vinho pode ser branco, branco é o leite de vaca, vaca dá carne vermelha, vermelha é a camisola do benfica, Benfica é bairro de Lisboa, Lisboa é a minha cidade, cidade que não está sózinha, sózinha estou eu, eu que sou dragona, dragonas e dragões são do Porto, Porto football clube, clube campeão, campeão de Portugal, Portugal líquido com rio, rio com gosto, gosto que me farto de água, água é melhor que vinho, o vinho pode ser branco ... ou tinto.

rsrsrs

6/2/07 09:10  
Blogger Sofia said...

E S P E T A C U L A R !!!!


Muito bom mesmo Legível, mas nada a que eu já não esteja habituada.És uma fonte se saber e inspiração ;)

Obrigada, o exame correu bem.

Beijos

6/2/07 10:33  
Blogger Maria P. said...

Isto é que foi meter água! Ou melhor palavras, palavras...

Bjos*

6/2/07 13:37  
Blogger tb said...

a tua sorte é que o barco demora pouco a chegar a Cacilhas se não queria saber onde irias parar. Ainda vinhas parar aqui... como eu. lol
Beijos

6/2/07 20:40  
Blogger bettips said...

Elementar! Eu até casava com o teu tio (de quem herdaste a veia, líquida?) desde que ele fosse tecnicamente perfeito; e um rio sem cacilheiro nos separasse as águas. Texto conf(uncio)uso para este teu tempo de antena, entre duas margens! Abç

6/2/07 23:02  
Blogger Cris said...

"Gurmecindo"... pois eu podia falar de qualquer um dos assuntos q enlabirintaste neste texto fabuloso, mas corria o risco de n me calar mais ou de me perder no emaranhado da resposta... assim fico-me pelo delicioso nome do teu tio... C'um caneco... a tua tia-avó n devia ter a língua pêrra, não! Mas olha q devia ser giro ter um maridito chamado Gurmecindo...ahahahhahahahahahha... coitadito!

E o Tejo... esse rio q me encanta e que me destrava os dedos no desamarrar da alma...

Bem, mas eu disse q só falava do Gurmecindo e portanto n vou desatar os dedos sen nunca mais me calo...

Saudades, amigo... e um sorriso doce!

7/2/07 01:29  
Blogger poca said...

tejo é uma imensidão que nos leva para outro lugar... é uma luz que ilumina a visão...

férias, para mim são precisamente épocas em que não há tempo nem horas para acordar :)

7/2/07 03:20  
Blogger Alba said...

...E eu queria mais, fiquei com água na boca...

7/2/07 13:47  
Blogger robina said...

Quando te apetecer espreitar a tua obra-prima e a tia também... :-))))

7/2/07 14:24  
Blogger Sandra said...

Eu cá deixei-me levar pelas correntes. Volto hoje para te desejar um domingo cheio de esperança e para te agradecer a voz que gravas lá nas estrelinhas.

Beijinho

11/2/07 01:04  
Blogger APC said...

Ahahahahahah :-)))

Grande, Legível!

E Licínia! :-)

6/3/07 00:57  

Post a Comment

<< Home