Wednesday, November 22, 2006

UMA FONTE de VIRTUDES
















Se havia defeito que não possuia era o da mania das grandezas. Sendo certo que isso o tinha prejudicado ao longo da vida -particularmente na carreira profissional, preferia saber-se de consciência tranquila, levando uma existência pacata, solidário com o próximo (até onde as possibilidades lhe permitiam) e nunca dele se aproveitando para subir degraus ou atingir patamares que não fosse apenas pela sua competência e honestidade de processos. Dele se dizia à boca cheia que "o Quitério é um poço de virtudes!". Quando -sem que nada o fizesse prever, perguntou a Isaltina "... se queria juntar com ele os trapinhos", ela, prevenida, respondeu-lhe "... que não pensava em se suicidar tão brevemente".
O desgosto não o matou, mas minou-lhe a alma. Deixou o emprego porque não suportava as conversas dos colegas sobre as alegrias (e tristezas... ) do viver a dois, fazendo do celibato uma profissão de fé. Ao contrário do que seria de supor a opção monástica não o seduziu. Enveredou pelo associativismo, sendo o principal obreiro e fundador da Associação de Assobiadores do Vale de Pera Verde. O sucesso da associação foi vertiginoso: actuações nos principais palcos do concelho e entrada de dinheiro, muito dinheiro, nos cofres da tesouraria. Tanto, que a Judiciária desconfiou da fartura. Quando saiu do tribunal na qualidade de arguido, com residência fixa e uma caução de quarenta euros, um jornalista perguntou a Quitério «Confirma que este caso é a sequência do Apito Dourado?» ele respondeu igual a si próprio «Não. É o início do Assobio Prateado.»
Burgos, 2006. Texto e foto de: Alberto Oliveira.

34 Comments:

Blogger Teresa Durães said...

ahahahahahahhah

ai!!!! assim não sei fazer comentários a la Rui do Malefícos!!!!

e cousa estranha essa dos astros misturados baralhados, as estrelas andam nos copos por aí?

até o legível prega moral no Voando...

Ah!!! agora reparo! é da fonte de virtudes!

chamo a malta dos olivais onde vivi, chamo o bando, a canalhada toda (expressão minhota), vai tudo de corrida dar com o pau na dita; parte a fonte, cai a virtude - fica o legível normal de novo!*

*hoje estou assim... mais violenta, coisa dos astros!

23/11/06 00:45  
Blogger Rui said...

Na mercearia Pato Bravo, em Vale de Pera Rocha, o dia decorria com leveza. Tudo era sorrisos, tudo era abraços. Josefino, proprietário da mercearia e presidente da Junta, estava de tal maneira feliz, que vendeu um bacalhau asa branca fiado a Natalina.

- Oh Natalina, mas é para pagar antes do natal.
- Não se preocupe, que o meu Viegas vem das obras lá na Holanda antes disso.

Era também na Pato Bravo a sede da Associação Recreativa e Cultural Os Tocadores de Pente de Vale da Pera Rocha, agremiação fundada logo após a implantação da República e que mantinha viva essa arte perdida que consistia em tirar música desse objecto tão sem graça que é o pente.

Vinha a felicidade a propósito do incidente na aldeia vizinha de Vale de Pera Verde.
Era lendária nas redondezas a rivalidade entre a ARCTPVPR e a AAVPV. Não havia festival de música em que não acabasse tudo à trolha.

Ninguém sabia qual a origem de tão arreganhada rivalidade, mas conta a lenda que, certo dia durante o PREC, num concerto a favor da reforma agrária, Jenuvevo, pai de Josefino, foi visto a pentear-se à socapa com o pente-tenor de Serafim, pai de Quitério.

Foi o bom e o bonito e o mau, logo ali. Pancada de criar bicho e chamamento dos piores nomes. Ofensas mil, gritadas a plenos pulmões.
Não era para menos: um pente-tenor com caspa soa a pente-alto; é todo um outro som.

E lá sorria Josefino, cofiando o bigode. Nunca 500€ tinham tão sido tão bem empregues como aqueles que tinha dado a Valentim, para aldrabar a contabilidade da concorrência.

23/11/06 11:05  
Blogger segurademim said...

... a fonte secou, a água passou a rarear; inventivo, o Quitério, mudou-se de armas e apitos de metais raros para as obras públicas, diversificar o filão, era o lema da sua vida - mesquinha

triste figura triste

;)

23/11/06 12:19  
Blogger amadis / pintoribeiro said...

Bom fim de semana.

23/11/06 13:09  
Blogger sotavento said...

Ó pá, tenho mesmo de me repetir: depois disso, o avô nunca mais comeu laranjas!... :)))

23/11/06 17:11  
Blogger tb said...

ahahahahahahah
E ainda continua por aí mudando de pouso de quando em vez para despistar...
Sinceramente gosto da tua forma de contar.
Bjinhos

23/11/06 17:39  
Blogger legivel said...

Para amadisdegaula

Já??!!

(e ainda há quem se surpreenda com a antecedência com que se começa a pensar no natal... )

23/11/06 17:57  
Blogger passarola said...

pois é.. a isaltina deu a volta à honestidade do Quitério e ele conseguiu um feito único..pôr uma associação cultural a render rios de dinheiro.. só por isso, já merece homenagem em forma de fonte ;)

23/11/06 18:08  
Blogger mfc said...

Acredito mais(??) que este caso não seja arquivado que aquele... o Dourado!

23/11/06 18:48  
Blogger Rach said...

e assim nasceu a sociedade da água de Vale de Pêra Verde,SA. uma água tão natural, pura e leve como a sua...virtude

23/11/06 19:56  
Blogger JPD said...

Está excelente, Alberto!
A oportunidade deste texto vale, não exclusivamente pela graça e pela boa construção, mas sobretudo pelo anúncio regular de medidas de coacção para que as dívidas ao fisco sejam pagas, sob pena de apreensão de bens materiais e fiduciários ou até do terno e humilde certificadinho de aforro: afinal de que vale emprestar dinheiro ao Estado -- o furo da subscrição é tão baixo! -- e não pagar os impostos?!
Aguardo com curiosidade o anúncio dos resultados das medidas de que vão sendo anunciadas.
Tenho uma leve esperança que resultem e que ao menos, quem como nós, regularmente e nos prazos, pagamos os impostos, vejamos confirmada a aplicação da universalidade da lei.
Haverá moralização?
Um abraço

23/11/06 21:04  
Blogger Pilantra said...

Sou obrigada a concluir, compadre, que nem no meio está a virtude. E que quem não se amanha com ouro, se amanhará com prata! Fica-nos o dilema do assobio: será entre dentes ou entre dedos?

23/11/06 22:47  
Blogger Marco Ferreira said...

40 euros?????? só.

Mas também sé é o inicio do assobio prateado então ainda muita tinta vai correr.

marinheiroaguadoce a navegar

23/11/06 23:10  
Blogger Maria P. said...

Nota:20!!

Divino!

24/11/06 00:44  
Blogger pianola / Sonia R. said...

Pode-se tentar perceber que a 25 de Abril de 1974, a tropa tenha vindo para a rua. Bom dia.

24/11/06 09:59  
Blogger pintoribeiro said...

Bom fim de semana, abraço,

24/11/06 10:07  
Blogger Licínia Quitério said...

Olha, Rui, isso de vires dar a lume histórias do meu antepassado ainda vai dar molho. Fui à Torre do Tombo e vim de lá com a informação de que o meu tio-tetravô foi contabilista, sim senhor, mas do "Grupo Recreativo e Jantarista Peras Cozidas Não-te-desmanches", ainda hoje em actividades (outras) lá para os lados de Linda-a-Nova. Pois nada consta sobre irregularidades da sua escrita, toda Deve e Haver em letra inglesa, muito bem inclinada e certinha. Se houve lugar a traulitada com Associações rivais, até é para mim motivo de orgulho.
Tu, por acaso, não pertences ao "Grupo Excursionista os Barriguinhas de Vale-a-Amostra"?
É que, pelo calor que pões no relato, cheira-me que há por aí resquícios de antigas rivalidades...


Parabéns pelas vossas mentes brilhantes, Alberto e Rui!

24/11/06 14:20  
Blogger Rui said...

Licínia,

Vou já nomear uma comissão de inquérito!
Se há coisa que me desgosta, é fontes de informação incorrectas e maldosas.
Até haver conclusões, peço-te que suspendas o molho (e que seja bechamel...). Prometo que serão publicadas se forem a meu favor. Caso não o sejam, demito a comissão e nomeio um grupo de trabalho para avaliar (e corrigir) as conclusões da comissão.

Eu sou membro é do Grupo Excursionista Vai Tu, famoso pelas caminhadas que planeia (mas não concretiza). Sou é accionista do Grupo Provador de Petiscos Os Barriganas, deve ser daí a confusão.

E sim, há por aqui rivalidades, mas são todas saudáveis e resolvem-se à mesa.
E por falar nisso, estão a fazer-me sinal. Vou ao tacho!

:)

24/11/06 15:02  
Blogger Nia said...

Um "Fonte de Virtudes" porque está de "boca calada" está visto!
Tu é que não és nadinha uma "fonte de virtudes" porque te esqueceste dos meus anos...ouviste ó ranhoso?!:(

24/11/06 15:36  
Blogger Nia said...

Corrijo:"uma" em vez de "um".Mas, de facto,essa fonte aí , com aquela estrela na cabeça, mais parece UM...Um Che Guevara!

24/11/06 15:41  
Blogger legivel said...

Para nia:

Assumo o meu esquecimento que não foi esquecimento mas sim falta de memória e ainda andei para aqui a ver se topava algum post com uma pista sobre a data sem sucesso.Por acaso (?!) até já tinha uma prendinha preparada para ti antes de me esquecer(?!) mas como me chamaste ranhoso... a prenda já era; antes, já foi.
Lá se acabou mais uma amizade de mais de cinquenta anos...

24/11/06 16:42  
Blogger Sofia said...

eehehehehe grande texto! apesar que isso do Apito Dourado..... não foi uma boca pois nao????


;)

bjs

24/11/06 21:12  
Blogger Maite said...

Caro Legível

Eu cá hoje estou em blackout.
Deve ser da chuva.

Tenha um excelente fim de semana

24/11/06 21:30  
Blogger lélé said...

hoje vi uma gaita de alumínio... sem malícia, vá!... era mesmo um amolador à antiga, mas de motorizada... se ele tivesse um apito dourado, aposto que ia de ferrari!...

25/11/06 03:21  
Blogger Nia said...

Para que nunca mais a memória te falhe (em relação à data dos meus anos porque para o "resto", pode falhar à vontade!)OUVE bem e MEMORIZA:Faço anos exactamente 1 mês e 1 dia depois dos teus (mas muitos muitos muitos menos do que tu, velhinho!) Ehehehehheeh!

25/11/06 11:49  
Blogger legivel said...

Para nia:

Isso seria um bom lembrete se eu me lembrasse em que mês e dia aniversario... teenager!

25/11/06 12:07  
Blogger segurademim said...

... mas afinal, quando é que tiras aquilo da boca da criatura ????

ãh??? - não sejas insubordinado!

;)

25/11/06 17:43  
Blogger pintoribeiro said...

Abraço, sem virtudes,

25/11/06 18:09  
Blogger APC said...

Do poço de virtudes ao apito dourado (e à prisão da raia miúda, dos que nunca fizeram mal a uma mosca, até porque nenhuma nunca lhe poisou)... Que texto desgovernado"! ;-) Gosto mesmo! :-)
E o Rui a "apitar" em pente-tenor, ajuda à música com grande excelência.
Um xi!
(Xi!... Que horas são!!! Xau!).

25/11/06 21:50  
Anonymous Anonymous said...

... o que dá a fartura!;)

25/11/06 22:09  
Blogger batista filho said...

perder o prumo, mudar de rumo... meu tosco resumo... e mais não digo, por falta de assunto!

em tempo: clap, clap, clap!

... e um abraço fraterno, é claro!

25/11/06 23:58  
Blogger EL HIPPIE VIEJO said...

AMIGO

TE DEJO UN ABRAZO " VIRTUOSO " Y DESEO DE BUEN DÍA .

MUCHAS GRACIAS

ADAL

26/11/06 04:36  
Blogger Sea said...

Credo!! Aquilo não será incómodo para a carantonha da fonte? Assim, de repende, Djizazzz!!! Hum.. ok... Bom domingo :D

26/11/06 11:30  
Blogger Maria Papoila said...

Coitado, o que um desgosto de amor pode fazer a um homem...
De qualquer das formas, penso que não haverá razão para preocupações! Quando o caso chegar a tribunal, já terá expirado o prazo da acusação, com toda a certeza!

26/11/06 11:49  

Post a Comment

<< Home