Thursday, October 12, 2006

O MEU AMIGO WOLFGANG A.
















Tínhamos aprazado o encontro para uma praçazinha simpática e deslocada do bulício do centro da cidade. Ambos sabíamos que por esta altura do ano os festivais de música traziam milhares de forasteiros à grande urbe e Wolfgang confessou-me na breve conversa que mantivemos por telefone móvel -uma invenção diabólica segundo ele, que temia ser reconhecido no meio da multidão por A. Salieri. Tentei sossegá-lo afiançando-lhe que o seu rival estava bem morto e enterrado mas isso não o aquietou. Para meu espanto, informou-me que viu um espectáculo de magia, numa sala completamente às escuras, de um tal Milos Forman e que o enredo não o tinha deixado nada animado.
Tive algum receio que, depois de tantos anos não o reconhecesse com facilidade. Na realidade, a única fotografia que tinha dele, datava da altura em que teríamos entre os seis e os oito anos. Numa rua de terra batida via-se em primeiro plano o Bastos B. a rematar uma bola de trapos contra um indefeso guarda-redes de joelhos esfolados que era eu. Nas minhas costas, alheio ao jogo, Wolfgang tocava violino. Nas voltas da vida a última vez que nos falámos, foi na vã tentativa de lhe encomendar (a preço de amigo, claro!) um hino para a Associação Cultural e Recreativa os Amigos de Afrodite. Recusou, invocando uma viagem à Casa da Música no Porto.
Afinal os meus receios não tinham razão de ser. Ali estava ele, e no rosto liam-se a dois tempos, uma aparente serenidade e o olhar distante do virtuoso. O pessoal do marketing desta terra não deixa os créditos por mãos alheias...
Viena, 2006. Texto e foto de: Alberto Oliveira.

25 Comments:

Blogger APC said...

Parece que o tempo não passa por ele!...
:-)

12/10/06 02:35  
Blogger alfazema said...

Passei para te deixar um beijinho. Li apressadamente e , como sempre, escreves com fantasia num papel, bem legível. Voltarei amigo. Ainda hoje.
Beijos

12/10/06 07:02  
Blogger Maite said...

Caro Legível

:)))))

Como a Alfazema, voltarei mais tarde para ler com mais sossego.

Tenha um óptimo dia :)

12/10/06 08:29  
Blogger Mendes Ferreira said...

sabe que afinal "eles" não eram como se diz no filme????

ah pois não...

(ainda bem que falaram...)


beijos em allegro...

12/10/06 09:28  
Blogger sotavento said...

Realmente, ele há cada um!... Não lhe custava nada ter feito um simples hino!... :|

12/10/06 15:52  
Blogger Vanda Baltazar said...

Há quem fique sempre.

Para sempre.


Sempre gostei de te ler também.
Adivinha-se o tamanho do coração nas entrelinhas que nunca escreverás aqui, embora por vezes se soltem fugidias, as notas de um som...

Não, não é o Wolfgang...mas bem que poreia ser ;) pelo estilo legivel das notas ;))

...é o pulsar do coração, onde entre fotos e mapas de viagens, guardas também esses bons sentimentos!

Van

12/10/06 16:11  
Blogger Rui said...

Amadeu passou os dedos pela testa. Ainda lhe doia e o galo teimava em não baixar.
Sentiu-se mais tranquilo quando o comboio passou a fronteira austriaca. Invadiu-o uma sensação de tranquilidade. Tinha tomado todas as precauções para não ser seguido e agora estava a chegar a casa.
Pouco depois da fronteira, o comboio deteve-se. Amadeu espreitou pela janela e pode ver que no apeadeiro mal iluminado apenas estava uma figura, que lhe pareceu sinistra.
O sentimento de segurança deu lugar a um nó nas tripas.
Não demorou muito a que a porta do seu compartimento se abrisse. O homem do apeadeiro estava agora à sua frente, a face escondida na sombra de um chpéu de feltro.
Sem retirar o oleado que o tinha abrigado da chuva, sentou-se à sua frente.
Ao retirar o chapéu, Amadeu teve um desfalecimento. Não reconheceu a cara mas soube que já se tinham encontrado.
O homem falou por entre um sorriso:
- Boa noite, o meu nome é F. Murray Abrham...

Amadeu deixou escapar um ai e desmaiou.

12/10/06 16:39  
Blogger Teresa Durães said...

Wolfgang deveria ter uns motivos muito seus, não sei.

Mais uma vez gostei do que li

(acho que anda a me escapar algo mas decidi ir pelo sorriso)

12/10/06 18:23  
Blogger Teresa Durães said...

li e reli
está excelente o texto
mas agora retiro o que disse sobre o Wolfgang. o que está entre parênteses mantém-se

12/10/06 18:50  
Blogger BlueShell said...

Olha...GOSTEI!

Para uma noite plena de Paz…um beijo azul
BlueSell

12/10/06 20:17  
Blogger JPD said...

bem inspirada essa prosa e o amigo Mozart não merecia outra coisa.
Um abração

12/10/06 22:11  
Blogger batista filho said...

Vejo que a música está a lhe atiçar os miolos. Não que tenha algo algo contra a música... ou os músicos! - teu amigo Wolfgang então!... mas além da música consegues encadear um outro elemento deveras interessante... e através desse outro elemento venho a saber que nutres uma paixão futebolística... com quê então - antes de nascer um fotógrafo de imagens e palavras havia um guarda-redes...
Deixo o meu abraço fraterno e saudoso.

12/10/06 23:23  
Blogger lélé said...

nããã... cá pra mim, o Mozart foi ver a branca de neve a preto e negro e ficou assim com os olhinhos meio piscos...

12/10/06 23:36  
Blogger segurademim said...

... mesmo ausentes os amigos, companheiros de sempre, estão na nossa vida, presentes, surgindo-nos com ou sem encontro marcado

é delicioso quando surgem inesperadamente ao virar da esquina

o problema é quando tropeçamos com os Salieris e não sabendo que o são, confiamos ...

13/10/06 09:18  
Blogger Sofia said...

;)

Será que lhe podes pedir para fazer um hino para o meu Boavista? O nosso é tão fraquito. Anda lá mete uma cunha!

bjs

13/10/06 09:57  
Blogger Sea said...

engraçado que ainda onteme stive a ver uma foto, com uma montagem a partir de uma partitura desse Sr.
:) beijo

13/10/06 10:37  
Blogger Sea said...

Um festival de música em Viena de Austria, eclipsa qualquer jogo :D

13/10/06 10:49  
Blogger Pyny said...

Talvez há cerca de um ano que eu sou leitor assiduo deste blog. Apesar de não ter o hábito de o comentar, gostaria de dizer que gosto imenso do blog, a começar pelos títulos dos posts.
Abraço

13/10/06 12:45  
Blogger Maite said...

Caro Legível

Uma história muito bem engendrada em que o passado e o presente se interpenetram de uma forma divertida :)
Sabe que do filme de Milos Forman guardo as espantosas gargalhadas de Mozart como imagem de marca desse filme? :)

Tenha um esplendoroso (posso até ouvir esta palavra na boca de Mozart) :) fim de semana :)

13/10/06 13:04  
Blogger OvelhaNegra said...

Li..
Reli..
Todos os textos que escreveste enquanto andei por terras do Jardim.
Que dizer?
Inveja! Uma grande inveja por teres estado em Veneza e Lubliana.
Imagino-me sentada na Praça de S.Marcos a escutar Mozart, Vivaldi ou um simples e bem tocado Jazz ao fim da tarde.
Ou a bebericar um chá no «Florian».

Um sorriso e um beijo*

13/10/06 14:24  
Blogger Suzi said...

Sabe que frase linda encontrei aqui??
"Nas minhas costas, alheio ao jogo, Wolfgang tocava violino."

Por incontáveis razões...
Beijos e bom final-de-semana!

13/10/06 15:57  
Blogger A Rapariga said...

Sexta Feira 13 cá estou no teu "escritório"
Isto por aqui está animadíssimo em comentários.


O encontro com o Wofgang foi mesmo aprazado? Era era um tanto louco, não terás confundido.
A relação dele com o Salieri tem muito que se lhe diga, quem copia quem?

Pois, depois de uma visita à Casa da Música do Porto, nem o Wolfgang arriscava qualquer musiquinha. Vá que era tudo igual e lhe caía o tecto em cima?
Um dia....

13/10/06 16:47  
Blogger Isabel said...

Que inspirado estas.
Que bom o teu texto.
Gosto especialmente do sorriso algo irónico que adivinho em ti quando escreves.
Sente-se esse sorriso nas entrelinhas.
Muitissimo inspirado e inspirativo, parabéns.

Lá para os meus lados hoje é dia de histórias para crianças e adultos.
Vem ler, és sempre bem vindo lá em casa.

Isabel

13/10/06 17:10  
Blogger Kalinka said...

Esta conversa sobre o seu amigo Wolfgang A. Mozart, fez-me recordar o dia que visitei Salzburgo. Não encontro palavras para descrever, foi qualquer coisa de maravilhoso... Voltaria lá, pois a visita foi curta e, aquela cidade tem muito que visitar.
Mas, prometi que no fim de semana vinha visitar os Amigos, pois agora durante a semana, o tempo é curto e o cansaço não me deixa estar na net...Cá estou.
Abraços.

15/10/06 02:00  
Blogger Rach said...

Pelos vistos continuas com a fantasia do habitué. e já reparei que ainda tens papel.
Mozart é um dos meus compositores favoritos, assim como o filme Amadeus de um tal Milos Forman, que volta e meia até tem uns movies todos catitas. Agora, e como a Mendes Ferreira referiu, não consta que Salieri e Mozart fossem inimigos, pelo menos segundo alguns entendidos na matéria. a versão romanciada do Milos até que nem estava nada má.Do fime fcou-me a gargalhada do Mozart, a sua loucura e infantilidade e acima de tudo a sua enorme paixão pela música...e um Requiem em construção...
Mas, caro Legível, esse tal de Amadeus não se deslocou ao Porto, por acaso, de comboio? É que pareceu-me tê-lo visto no comboio com destino a Campanhã enquanto locava uma violinada e cantava parte de uma opera bufa "Viva o Momento Now"

15/10/06 11:58  

Post a Comment

<< Home