Wednesday, June 21, 2006

O INTERIOR do POEMA



















Existem variados géneros de poesia menor; aquela cujo interior está vazio de coisa alguma, a que do seu âmago transbordam gritos de socorro onde não existe naufrágio, a que não admite que das suas entranhas apenas brotam palavras azedas de pescada mal digerida e... tantos outros (sofríveis) exemplos de como a poesia não deve estar recheada. Quem me conhece, sabe que sou de gostos requintados; que não confundo petinga com salmão, nem chamo ao gato, lebre.
Admiro os poemas que tragam dentro de si palavras novas; que possam fazer-me crer que, uma ave desenhada numa parede, consiga voar para horizontes futuros menos cinzentos, que estes que hoje contemplo. Uma ave desenhada numa parede, pode voar; assim lhe dêem asas no interior de um poema.
Almada, 2006. Texto e foto de : Alberto Oliveira.

38 Comments:

Blogger MC said...

Hummmmmmm!

Está muito bem dito, bendito, benedito (este não tem nada a ver com o outro...):)

beijos

21/6/06 19:56  
Blogger lélé said...

Eu estava convencida de que detestava poesia, mas desfizeste-me o equívoco... e eu gostei de saber que estava enganada!... Gostei mesmo!

21/6/06 21:56  
Blogger Teresa Durães said...

Estou.... estou... sem palavras...

(vai um legivel lá para as minhas bandas rebolar a rir - segundo o próprio - e chego aqui tenho de descalçar-me por afinal eu é que entrei no templo...)

21/6/06 22:54  
Blogger Teresa Durães said...

que raio de horas marca esta coisa????

21/6/06 22:54  
Blogger inBluesY said...

Hoje, não brinco com doces, mas admiro o que li, muito, é notável a capacidade do sonhar.

1 BJ

21/6/06 23:33  
Blogger OvelhaNegra said...

«Paris, 17 de fevereiro de 1903

Prezadíssimo Senhor,
(...)
Pergunta se os seus versos são bons. Pergunta-o a mim, depois de o ter perguntado a outras pessoas.
(...)
Pois bem peço-lhe que deixe tudo isso. O senhor está olhando para fora, e é justamente o que menos deveria fazer neste momento.
Procure entrar em si mesmo. Investigue o motivo que o manda escrever.
(...)
Não escreva poesias de amor. Evite de início as formas usais e demasiado comuns.
relate suas mágoas e seus desejos, seus pensamentos passageiros, sua fé em qualquer beleza — relate tudo isto com íntima e humilde sinceridade. Utilize, para se exprimir, as coisas do seu ambiente, as imagens dos seus sonhos e os objetos de sua lembrança.
(...)
Se depois desta volta para dentro, deste ensimesmar-se, brotarem versos, não mais pensará em perguntar seja a quem for se são bons.»
[ Rainer Maria Rilke."Cartas a um jovem poeta" ]

Com um sorriso e um beijo*

22/6/06 03:19  
Blogger Mendes Ferreira said...

excelente "recorte"....


hoje está aberta a sessão.pode ir lá contar uma história. porque é só hoje.


abraço. e bom dia.

22/6/06 09:45  
Blogger jorgesteves said...

'Se souberes, sempre que possas, sonha!
Sonha sempre, toda a tua vida.
É que uma paixão entre um pássaro e um peixe,
só é possível naquele lugar que fica
para lá do sonho e aquém do despertar...

...
lembrei-me; a propósito!...

abraço,
jorgesteves

22/6/06 10:29  
Blogger Sea said...

acho que as palavras têm asas, dão liberdade... assim fosse tudo...

22/6/06 13:33  
Blogger segurademim said...

... um interior de boa indole! conta o recheio mais do que o invólucro, sem dúvida... as aparências iludem, tantas vezes

para esse pássaro tenho um bom prognóstico... irá fintar e brilhar, tal como a nossa selecção

enche o peito e voa, voa, voa

22/6/06 14:23  
Blogger Phi@ said...

Empresta.me as asas do teu anjinho para eu voar dentro do poema que é a minha vida?! Bxox

22/6/06 15:03  
Blogger JPD said...

Mas é isso mesmo que os autores procuram incessantemente: POESIA!
Belo texto, Alberto.
Um abraço

22/6/06 19:13  
Blogger alice said...

atrasei-me amigo ;)

desculpa-me por favor, queria ter vindo mais cedo voar nas tuas palavras, mas agora aterrei no interior do post

além disso, este último comentário que me deixaste é muito melhor do que o meu post, pelo que acho que vou pedir a reforma antecipada

beijo-te no coração,

alice

22/6/06 19:59  
Blogger Pilantra said...

Eu já lhe puxei pelo rabo e nada!
Já assoprei, assobiei e nada.
«A nada a bruta se move» nem demove.
Juras que vai lá com um poema? Quero ver isso!

22/6/06 20:15  
Blogger Luna said...

Palavras, ditas,sentidas,sonhadas, palavras saidas da alma, são essas que nos fazem poetas e voar
beijos

22/6/06 21:13  
Blogger Mendes Ferreira said...

gosto......:) e essa é fácil de tocar....



noa noite.

22/6/06 21:41  
Blogger Vanda Baltazar said...

Talvez seja por dentro dos poemas que as pessoas consigam sair para fora...delas.

Ganhar asas.

E sonhos.

:) Espero que a neta reconheça a minha corrida contra o tempo, após o seu nascimento :)que ela ainda tenha tempo para me curtir :) o resto é poesia. Tua :)

beijo de noite feliz

Van

22/6/06 23:15  
Blogger Licínia Quitério said...

Vou provocar-te: Há poesia menor?
Estás zangado com quê? Por não encontrares poetas? Olha, vai ao http://zefanha.blogspot.com e encontras lá uma máquina de caçar poetas. Talvez seja o que queres. O que todos queremos. Só que não é nada fácil, pois não, Amigo?
Beijinhos.
Licínia

22/6/06 23:30  
Blogger A. said...

...sabes que és muito bonito al?
eu estou com sono,venho aqui meia zonza...sem inspiração,mas com vontade de te ver.assim.com vontade de me aconchegar.no interior do teu poema.

azul.sempre o teu.o meu azul.
beijo.te

23/6/06 01:38  
Blogger Teresa Durães said...

(asas?)

23/6/06 03:22  
Blogger noite said...

Quem só olha para as palavras, para as criticar e não vai ver quem as escreve, arrisca-se a avaliar um trabalho poético que já foi avaliado, e tem mais de 20 livros editados...k ridiculo. Podia ficar-se apenas pelo não gosto. Que tem todo o direito. lol
Pode ser muito requintado na gastronomia, como critico, não vale nada, ou precisa óculos.
Talvez te convidem para o festival de gastronomia de Vilar do passarinho,,, que no voa,,,tadinho!

Beijos de alentejana de coentrada!

23/6/06 04:35  
Blogger legivel said...

Para noite:

Não sou crítico literário; se o fosse, naturalmente que não me sobraria muito tempo para me divertir pelo virtual.
De quando em vez apetece-me deixar por aqui a minha opinião; sem azedumes, sem procurar o confronto ridículo ou o desafio caricato.
Porque há quem não esteja receptivo a ler o que se escreve, confunde a "nuvem por Juno"; não entendendo a diferença entre o generalizar e o particularizar e "perde o pé".
Precisa de ter cuidado com as correntes, quem nada com dificuldade; ainda por cima, com o peso adicional de vinte livros publicados no bornal, o que é... obra!

23/6/06 08:53  
Blogger Rui said...

O gato desenhado na parede aproximou-se sorrateiro da janela. De olhos fechados, o pássaro espreitava para dentro de si, esquecido do resto. O gato sorriu. Encostou a barriga à parede e rastejou em silêncio, sentindo uma comichão nas patas dianteiras.
Aproximou-se mais um pouco. Estava agora perto do pássaro, que continuava imóvel.
O gato respirou fundo e ergueu a pata direita. Lentamente, colou-a por cima do pássaro. Já está, pensou.
Num movimento rápido e seco, tocou com a unha no ombro do pássaro, que abriu os olhos.

- Então, pá. A dormir?
- Não, estava a pensar em palavras que li.

O gato aninhou-se ao lado do pássaro e, desenhados os dois à beira da janela, ficaram a falar de palavras. E a sonhar.

23/6/06 10:03  
Blogger alice said...

bom dia, lindo ;)

li os comentários... estou triste

oxalá tu não estejas

desejo-te um são joão dentro do peito a voar tipo balão ;)

um grande beijinho

grande, grande

alice

23/6/06 10:59  
Blogger Joana said...

resposta ao desafio na fonte da mariazinha.
:)

(lá mais para o fim do dia de hoje... que isto de criatividade a metro está mau)
lol

23/6/06 11:14  
Blogger anirac said...

poesias e poesias, há que saber aceitá-las e admirá-las, beijo e obrigado pelos comentários ao meu blog! bom fim de semana***

23/6/06 11:55  
Blogger sotavento said...

Que é como quem diz, quem tem unhas é que toca viola!... :)))

23/6/06 14:00  
Blogger Sophie said...

Gostei de te ler.
Vou voltar.
beijinhos,
Sophie

23/6/06 14:40  
Blogger Luz said...

Tem um belo fim-de-semana poético ;)
Beijinhos :)

23/6/06 15:39  
Blogger nnannarella said...

Caro Indescritível.

I
Pela minha parte, percebi muito bem a ausência de ti, quando chegas a casa.
Comovi-me com o diálogo que lá deixaste entre o outro-eu e o eu-eu-tu.
E sim, o sítio onde estavas era mesmo aquele onde pensavas estar.ah ah ah.


II

Hoje, dado o mote, brindo-te com um ovo da minha "larva" poética, que até tem a ver com estórias de ausências.


III

quando se cansava da vida dizia que
queria ir criar cabras para a patagónia
mas no fundo o que queria mesmo era
acabar a pintar rosas, como renoir


sabia que nada lhe passava pela cabeça
sem ao mesmo tempo lhe cruzar o coração
e assim via miosótis no saldo bancário negativo,
músicas de bach na vida a contra relógio


e após uns crimes e dias subversivos
achava-se pronta para novas agonias


______________

23/6/06 18:17  
Blogger madalena pestana said...

Muito Bem escrito.

Ainda bem que não sou poeta, no entanto.

:)

23/6/06 21:26  
Blogger Maria P. said...

Grande verdade, este texto. Sim porque neste país todos pensam que são poetas.
Bom fim de semana.

24/6/06 09:25  
Blogger alfazema said...

...dar à ave a capacidade de voar depende única e exclusivamente da nossa capacidade. não voa quem quer. Voa quem sabe e pode. é que as vezes sabemos mas já nos tolheram essa capacidade. gostei do que li. bfs. um beijo

24/6/06 11:29  
Blogger sonia said...

É por essas e por outras que eu não me aventuro na poesia. Não chego lá...
beijinhos

24/6/06 16:28  
Blogger alice said...

apreciei a tua resposta, amigo!

não esperava de ti outra reacção

um bom fim de semana para ti

com o verão dentro do coração ;)

beijinhos,

alice

24/6/06 18:26  
Blogger Teresa Durães said...

Caro legivel:

Depois de ver estes seus famosos criticos vejo que não pode visitar mais o meu blog porque:

- nunca editei nada (não tenho qualquer reputação no mercado, já viu????? vai estragar a sua!!!!!)

se continua a deixar por lá quadras e poemas, o seu nome vai manchado, aniquilado e ... sabe-se lá que mais lololololololol

(um perigo!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!)

ehhehehehehheheheheheh

24/6/06 23:51  
Blogger batista filho said...

"Uma ave desenhada numa parede, pode voar; assim lhe dêem asas no interior de um poema."

... conseguiste, amigo. Verdadeiramente, com essas palavras-versos, conseguiste.

Clap, clap, clap!

25/6/06 02:25  
Blogger tb said...

quem não sonha já morreu...

25/6/06 21:11  

Post a Comment

<< Home