Wednesday, February 22, 2006

DAR TEMPO ao TEMPO



















TEMPUS

O tempo tenho-o todo,
o deste mundo;
e se de algum modo,
o gasto num segundo,
sobram-me horas de arrependimento.
São o saldo de um movimento bancário
de risos e descontentamento,
de tempo tão imenso e tão precário.

............................................................................................

Vasconcelos olhou outra vez o relógio do painel do carro. Nervoso, acendeu mais um cigarro. À sua frente, a fila de veículos à entrada do tabuleiro da Ponte, não se movia um milímetro. Do interior do Punto azul à sua direita, escapava-se a voz de Phill Collins "Well I remember, I remember don´t worry/How could I ever forget... " e uma rapariga loira abanava a cabeça ao ritmo da música. "Que azar!" Porque não se enfiou na Vasco da Gama, assim que percebeu que a manhã estava a dar para o torto? Mentalmente, pôs-se a adivinhar as bocas que o esperavam quando chegasse ao Cemitério da Ajuda; "Sempre atrasado" que "nunca conseguira cumprir um horário"...
... até no dia do seu funeral.
Foto de : Alberto Oliveira.

54 Comments:

Blogger Marco Ferreira said...

que final estonteante

tive de reler tudo mais uma vez para assimilar o facto de ser "o seu funeral"

marinheiroaguadoce a navegar

21/2/06 17:25  
Blogger I said...

a verdadeira "crónica de uma morte anunciada"!

21/2/06 19:54  
Blogger @ said...

É carma do Vasconcelos, e uma vez atrasado sempre atrasado até mesmo no final...

21/2/06 21:20  
Blogger A.na said...

E enquanto o tempo passava...tb
eu adormeci...ehehheeh!

Não se perdeu nada.
Era apenas um eu com mais
cor...azul.

Dar tempo...já o dei
por cá.A tal crónica que
teria de terminar um dia.
com saudades...mas sempre a ver-te-

21/2/06 21:31  
Blogger lélé said...

No dia 20 de Dezembro/2005 havia um Deodato, no Experimências, que primava pela determinação. O Vasconcelos não é parente dele? Há qualquer coisa nesses dois que os torna tão parecidos!...

21/2/06 22:02  
Blogger Pilantra said...

Boa! Já era tempo de não lhes ouvires os remoques! Gostei!

21/2/06 22:27  
Blogger JPD said...

Que hei-de dizer: está perfeito!
Um enorme abraço, amigo.

21/2/06 22:30  
Blogger Maria Papoila said...

É a isto que estamos sujeitos, nem podemos ir a enterrar em paz...
Será que o S. Pedro vai acreditar na velha desculpa dos atrasos por causa do trânsito infernal?

22/2/06 00:08  
Blogger Seila said...

morto me vou, devagarzinho
morto eu me espero mais um bocadinho
soube-me tão bem este destino
gastei meu tempo bem gastado
me dizem que o houvera aproveitado
seria agora eu mais bem morto
teria eu de vida mais bem aproveitado
não lhos acredito
que a mim o que morto me fica descansado
é este ter meu tempo gasto como se estivera em saldo

22/2/06 00:12  
Blogger JPD said...

Caro Alberto: alguma vez faria uma coisa dessas, a de apagar um comentário teu!
Um abração!

22/2/06 00:34  
Blogger Pseudo said...

Final surpreendente, de facto.
Retribuo a visita.
Bom dia

22/2/06 10:10  
Blogger Vodka e Valium 10 said...

Há dias que nos não correm de feição; e, provavelmente, o dia em que morremos ou que vamos a enterrar é um desses.

No que toca à música, acho que o cantor foi bem escolhido, mas eu optaria por: "Oh, think twice/It´s another day for you and me in Paradise"

22/2/06 11:02  
Blogger ad-e-vinha said...

"O tempo que eu hei sonhado
Quantos anos foi de vida!
Ah, quanto do meu passado
Foi só a vida mentida
De um futuro imaginado!
(...)
Gastei tudo que não tinha.
Sou mais velho do que sou.
A ilusão, que me mantinha,
Só no palco era rainha:
Despiu-se, e o reino acabou.
(...)
Ondas passadas, levai-me
Para o alvido do mar!
Ao que não serei legai-me,
Que cerquei com um andaime
A casa por fabricar. "

Fernando Pessoa, "O andaime"

22/2/06 12:53  
Blogger manuel said...

Vasconcelos? tens a certeza? mais parece ser o meu amigo Vacondeus!

Agora a sério: Um "tempus" de poeta maior! Abraços

22/2/06 14:55  
Blogger Rui said...

O tempo nunca está do nosso lado. Tempus Fugit... (um dia ainda vou descobrir como se faz itálico nesta coisa).

22/2/06 15:25  
Blogger segurademim said...

terá horas de arrependimento, quem não tem paradeiro?

Bom tipo o Vasconcelos, atrasado como convém... ainda por cima ele, que teve uma vida inteira a ser pontual!

que stress ;)

22/2/06 17:57  
Blogger alice said...

à chegada ao cemitério, cruzou-se com uma senhora que lhe perguntou: desculpe, quantas horas tem? Ora, esta é uma daquelas questões paradigmáticas, que lhe provocam calafrios terríveis. É evidente que ele poderia ficar ali o resto da tarde a explicar que: eu não tenho horas, duvido que a senhora encontre alguém no cemitério que tenha horas para lhe dar.
É óbvio que ele poderia ter procurado um banco e pedido àquela senhora que se sentasse para lhe fazer entender nos meus modos serenos que as horas não se possuem.
É mais que certo que esta mulher iria ouvi-lo com toda a atenção, esquecendo-se das horas que não tinha, e que ele também não tinha.
Ele é porém, um morto sensato, logo, respondeu-lhe sem rodeios.
Foi a enterrar a pensar como é que aquela senhora foi capaz de ir embora sem as suas valiosas informações sobre as horas.

22/2/06 19:07  
Blogger sotavento said...

Ora bem, assim de repente, parece-me que o que seria impróprio é que ele chegasse adiantado!... ;)

22/2/06 19:09  
Blogger Rui said...

teste1,2,teste

22/2/06 19:17  
Blogger Rui said...

Ena, ena... assim sim, isto agora é outra loiça. Desculpa lá usar o blog para isto, mas alguém tinha de ser.

(faltava-me a /... percebo pouco destas coisas)

22/2/06 19:19  
Blogger Maite said...

Mas, por que "carga d'àgua" quer ser enterrado no cemitério da ajuda? :))))))))))))))) Eu cá, prefiro o do Alto de S. João (tem uma vista fantástica :))

Boa noite para si

22/2/06 21:34  
Blogger Maite said...

Caro Legível
Só um reparo. Já reparou nas horas dos comentários? eu postei o último às 9.34pm e aparece lá que foi às 1.34pm

22/2/06 21:40  
Blogger Sofia said...

Mt bom, como ja me habituei com todos os teus post's!

Beijocas

23/2/06 09:08  
Blogger musqueteira said...

Viva Legível,
No cemitério da Ajuda?!...Safa!...
Mudar da Rua do Sol...para o beco da escuridão... prefiro, viajar até ao Mundo Lunar;)

23/2/06 09:12  
Blogger Flor said...

uahhh o final...não esperava!

Uma maravilho, mesmo sendo uma morte.

beijo grande

23/2/06 13:02  
Blogger Flor said...

era maravilha que queria que saisse...é que os masculinos fizeram guerra com os femininos...grande batalha!


:)

23/2/06 13:02  
Blogger anirada said...

O tempo é uma coisa mto parva, passa logo...eh o pior são mesmo os horários...bjs

23/2/06 17:21  
Blogger manhã said...

Logo hoje que estavam à venda os jazigos do cemitério dos prazeres! Bem malhado!!

23/2/06 18:59  
Blogger clotilde said...

Adorei!
Non sense

23/2/06 21:56  
Blogger legivel said...

Para marco ferreira:

Do Vasconcelos, devia o meu amigo escrever, que eu ainda estou aqui para as curvas...

23/2/06 22:19  
Blogger legivel said...

Para i & c:

Mais ponte, menos canção, tentei andar lá por perto; hesitei no cemitério, mas porque o mais citado é sempre o do Alto de São João... há que dar alguma visibilidade a este, não é?...

23/2/06 22:24  
Blogger legivel said...

Para @:

Ele há gente que até para morrer fazem serão...

23/2/06 22:25  
Blogger legivel said...

Para a a:

Claro que perdi; mas as oportunidades não acabam aqui, creio.
De resto, o teu azul vem colorir de quando em vez este espaço que é teu e isso deixa-me feliz.

Abraço amigo.

23/2/06 22:29  
Blogger legivel said...

Para lélé:

Esse (o Deodato) teve realmente algumas ligações trabalho e de amizade com este Vasconcelos. Os dois chegaram a integrar uma série televisiva de grande popularidade que creio chamar-se "Os Doidos da Gargalhada". Entretanto o Deodato derivou para as "sapatarias" e o Vasconcelos, desgostoso, começou a enfrascar-se; uma cirrose matou-o...

23/2/06 22:35  
Blogger legivel said...

Para pilantra:

De facto o gajo era um sarnoso dos diabos... Já lá está; na terra da verdade, não é verdade?!

23/2/06 22:37  
Blogger legivel said...

Para jpd:

Caro José:

Eu vi-te no funeral; bem querias passar despercebido...

Abraço.

23/2/06 22:38  
Blogger legivel said...

Para maria papoila:

Acho que numa situação destas o santo só tem que aceitar a justificação do atraso. E se não o fizesse lá tinha os sindicatos em cima!

23/2/06 22:41  
Blogger legivel said...

Para seila:

De certo que o morto que matei agradeceria sensibilizado, tão significativa homenagem que lhe prestaste... se pudesse ler tão belas palavras.

Vou comprar uma pedra-mármore e mandá-las increvê-las ao pé da campa.

23/2/06 22:45  
Blogger legivel said...

Para jpd:

Caro José:

Nem a minha sugestão era para ser interpretada como tal... e como bem deves ter percebido.

Abração.

23/2/06 22:47  
Blogger legivel said...

Para pseudo:

Foi mesmo o final. Para o Vasconcelos, coitado...

Boa noite.

23/2/06 22:48  
Blogger legivel said...

Para vodka e valium 10:

É bem possível que sim; embora eu nunca tenha experimentado, nem ouvido a opinião de quem se foi desta para melhor... .

Hesitei entre a que escolhi e essa; mas perguntei-me «e se o paraiso não existe?!»

23/2/06 22:51  
Blogger legivel said...

Para ad-e-vinha:

Tem cuidado com os andaimes... Não será a primeira (nem a última vez) que um barrote desses na tola dum incauto cidadão, é o início de uma viagem prá quinta das tabuletas...

23/2/06 22:58  
Blogger legivel said...

Para manuel:

Nem por sombras! Os amigos dos meus amigos (independentemente das suas aventuras) não são para morrer, de morte tão macaca...

Abraços.

23/2/06 23:01  
Blogger legivel said...

Para rui:

Nem do lado, nem atrás nem à frente; finta-nos, goza-nos e... foge.

Não custou nada como viste...

23/2/06 23:03  
Blogger legivel said...

Para segurademim:

"... que teve uma vida a ser pontual... "

Não era o que os amigos e colegas dizim dele. Ele no partido, não era assim ?!

23/2/06 23:08  
Blogger legivel said...

Para alice:

Agradeço a continuação da história a partir do lugar onde deixei o morto.
Chama-se ao teu comment, o verdadeiro interagir blogsférico. Óptimo!

A propósito, que horas tens?

23/2/06 23:15  
Blogger legivel said...

Para sotavento:

Reflexão mais que pertinente; um morto nunca se adianta! Fará sim, todos os possíveis para atrasar o momento de ser enterrado... e com que razão!

23/2/06 23:18  
Blogger legivel said...

Para maite:

Expliquei um pouco mais atrás, de preferenciar o cemitério da Ajuda. Não só para que tenha também um pouco de visibilidade mediática mas também por uma questão de "descentralização de corpos defuntos" na cidade de Lisboa...

Tenho um problema técnico com o meu relógio. Já o levei a uma relojoaria aqui perto e dissera-me que não podem acertar; que os batimentos cardíacos do utilizador descontrolam qualquer maquinaria para medir o tempo...

23/2/06 23:25  
Blogger legivel said...

Para sofia:

Gosto de te ler por aqui. E saber-me capaz de proporcionar bons hábitos*

(Este gajo é mesmo pretencioso!)

Beijos.

23/2/06 23:28  
Blogger legivel said...

Para musqueteira:

Viva Musqueteira!

Rua do Sol, Sapadores, Graça... lugares de uma infância muitas vezes revisitada...

Ando muitas vezes no "mundo da lua", ando...

23/2/06 23:34  
Blogger legivel said...

Para flor:

Sem pretender ser fúnebre, penso que sim; que devem haver "mortes maravilhosas"...

Beijo grande.

23/2/06 23:38  
Blogger legivel said...

Para anirada:

Boa! Mais uma definição temporal que registo com um sorriso; "o tempo é uma coisa muito parva!". E não é que tens razão?!... Se não houvesse tempo não existia essa coisa chata que são os horários...

Bjs.

23/2/06 23:41  
Blogger legivel said...

Para manhã:

Se eu tivesse sabido! Da próxima vez que fizer um post sobre este tema, antes, falo com um perito do ramo...

23/2/06 23:44  
Blogger legivel said...

Para clotilde:

Thanks!

23/2/06 23:45  

Post a Comment

<< Home