Monday, June 20, 2011

DESENHO À VISTA


Fotografo-te e os meus olhos só têm olhos para o que querem ver. Sem vontade própria, a câmara obedece-lhes cegamente. Não sei quem és nem porque razão te aplicas a fazer correr célere o bico do lápis sobre a folha do bloco de esquissos. Aposto que nunca a Rua do Carmo se sentiu tão despida na vida, quando repetidamente a observas numa perspectiva que é só tua. É assim que a coisa devia funcionar; num circuito aparentemente fechado, esta cena não devia acabar com este texto. A minha câmara bem poderia encontrar (por puro acaso) o teu desenho numa qualquer galeria de arte e iniciarem uma história de amor. Sem fim à vista.


2011. Texto e foto de Alberto Oliveira.


7 Comments:

Blogger ss said...

gosto sempre de ver pessoas a desenharem descontraidamente na rua, faz-me lembrar quando era miúda e o fazia repetidamente, sentando-me em qualquer canto até me doerem as mãos.
Boa foto by the way.

:)

21/6/11 11:55  
Blogger Fa menor said...

O bico do lápis muitas vezes corre ao sabor das ruas...

21/6/11 12:04  
Blogger Justine said...

Que belo, o teu caminho atrás desse desenho desconhecido!Que o encontres!

21/6/11 12:11  
Blogger Mar Arável said...

Pensar nos olhos da Câmara

ver no bico de um lápis

a rasgar o branco

de uma folha de papel

Vagaroso instante

21/6/11 22:34  
Blogger Lélé said...

Câmara procura desenho para romance sem fim à vista. Será talvez um classificado a ver com alguma frequência a partir deste texto...


(Ainda bem que abriste a caixa de comentários, porque há alturas, aliás, há textos teus, pelos quais não conseguimos passar sem deixar um... qualquer coisa, por muito bacoca que seja!...)

23/6/11 00:26  
Blogger AnaMar (pseudónimo) said...

Excelente o momento. fabuloso o texto.

29/6/11 22:58  
Blogger Rui said...

No Name Girl

4/7/11 17:42  

Post a Comment

<< Home