Wednesday, July 20, 2005

DAR TEMPO AO TEMPO

Não se pode contrariar o destino. As coisas são como são, agora só há que olhar em frente ( felizmente Catarina não tem problemas visuais...) e a vida tem de continuar. É verdade que nestes últimos dias tem chorado como uma madalena, que o apetite é quase nada -uma sopa, peça de fruta e um chá, tem sido a base das suas mais recentes refeições e o sorriso que lhe enfeita permanentemente o rosto, desapareceu como por encanto.

Ontem, encontrei-a ao dobrar a esquina do prédio amarelo-torrado onde vive e trocámos meia dúzia de palavras mas sem as gargalhadas do costume. Porque a sei uma bloquista de primeira água, tentei animá-la, contando-lhe das declarações do Amaral que pela primeira vez critica abertamente o seu primeiro, mas-que-logo-a-seguir-desmente-tais-palavras e que pelo andar da carruagem...Tentativa baldada que só recolhi um encolher de ombros e um sumido "que se lixem todos!" que a sua dor ainda é imensa e sobreleva o universo mesquinho das politiquices deslavadas cá do burgo. E ao despedirmo-nos, testemunhei consternado a uma lágrima deslizar-lhe pela face pálida.

Há que dar tempo ao tempo, penso para comigo retomando o meu caminho. Sei da extremada afeição, do amor intenso que ela nutria pelo Zeca. Mas tenho a certeza que mais dia menos dia, Catarina irá encontrar um papagaio ainda mais simpático e falador que este que agora se finou. Quem sabe até, senão, um futuro parlamentar "verde" de raiva pelo "reduzido" vencimento em tempo de vacas magras...

8 Comments:

Blogger Joana said...

Venho retribuir a visita e já vi que este blog é novinho em folha... PARABÉNS!
vou voltar mais vezes!
beijinhos...

20/7/05 11:02  
Blogger Andreia said...

lol gostei :)

lê-se bem e tem humor.

20/7/05 18:30  
Blogger MJM said...

Não, não te tramei,
que fui até honesto
e por Gardel te jurei
que o tango jamais tinha dançado.
que do caso o mais funesto,
foi aquele passo da perna ao lado.
Se puderes, dá-me o teu perdão
vou aprender a dançar seguramente
até de cansaço cair no chão,
e o que guardas tão ciosamente
eu tomarei com mil cuidados
para que se não parta...aos bocados


Adorei este poema...
Acho que vou dormir mais descansada. Nada que chegue a uma mente mais tranquilizada, embalada pela fluência, cadência e decência de um pedido de perdão... ainda que não se nos dirijam, as palavras do poeta são sempre apossadas pelos leitores, e eu, senti estas como minhas - pelo menos, assim gostaria de as ter recebido.
Tangos. Tangas. Whatever...
I rest my case ;)

5/9/05 19:07  
Blogger Perdido said...

Será pelo Zeca que dobram os sinos?

27/5/08 23:27  
Blogger legivel said...

Para Joana:

Já foi, Joana, já foi. Para o mês que vem fica com cinco anos em cima do pelo...

Mas não me queixo que o teu ainda consegue ser mais velho...

Risos.

12/5/10 19:27  
Blogger legivel said...

Para Andreia:

O tempo passou tão depressa que o teu sítio agora até mudou de cor: "rosa cueca"...

12/5/10 19:30  
Blogger legivel said...

Para MJM:

Noutros tempos, com a visita papal, os perdões eram... matos.

12/5/10 19:34  
Blogger legivel said...

Para Perdido:

Topa-se logo que finges não perceber que o Papa está por cá e que manda nos sinos.

12/5/10 19:36  

Post a Comment

<< Home